O QUE É O QUE É?

Parece queijo, até tem gosto de queijo, mas não é queijo?

Para você que gosta de queijo e de outros derivados de leite, aqui vai um alerta!

Tem queijo fake na área! Alguns até têm o mesmo sabor daquele que você está querendo comprar, mas é só ler o rótulo para perceber que não são o que parecem.

No caso do queijo falso, parece queijo, é vendido como queijo, mas nem de longe é queijo. É na verdade, uma mistura de gordura vegetal hidrogenada, amido modificado, água e aroma de mussarela. Isso mesmo! A olho nu é difícil saber a diferença, mas quando testado um com reagente químico, fica muito claro.

A fabricação e comercialização do produto que recebeu o apelido de queijo fake, não são proibidas em Mato Grosso do Sul, e o alimento tem sido muito utilizado por restaurantes porque chega a custar 30% mais barato.

Nosso CEO e presidente do Sindicato das Indústrias de Laticínio de MS, Paulo Fernando Pereira Barbosa, esclarece: – “O queijo verdadeiro, é feito através de leite, tem todo um custo de produção no campo, que inclusive não é barato. O produtor de leite tem custos elevados com a ração, com o bem-estar, com a saúde, com a higiene e com a salubridade dos animais, e em meio a esse cenário precisamos competir com um produto que tem em sua composição o amido que é de origem vegetal, a gordura de origem vegetal e a água, todos eles com um custo muito menor ao chegar na indústria, o que os torna atrativos para restaurantes, principalmente para as pizzarias e para os fast foods. 

Segundo Paulo, algumas empresas até ensinam a fazer a receita.

“- As empresas que trabalham com esse produto têm nas suas técnicas de venda, a instrução, como se fosse uma receita mesmo, descrevendo a proporção de mistura de queijo verdadeiro ao produto apelidado de queijo fake, com o intuito de que não mascare tanto o sabor, até porque um produto que não é queijo, não vai ter o mesmo sabor do queijo verdadeiro, o que a gente está acostumado e gosta de comer.”

O mesmo acontece com o requeijão fake. Na prateleira o produto é vendido como requeijão tradicional, mas o rótulo só diz: cremoso. E os ingredientes: mistura de requeijão, gordura vegetal e amido.

Aqui no Mato Grosso do Sul não existe uma lei que obrigue a informar no rótulo se o produto é mesmo requeijão/queijo ou não. Os restaurantes também tem essa mesma liberdade, o problema é que o consumidor não sabe o que está comprando e muitas vezes isso pode ser prejudicial para a saúde.

O nutricionista Emerson Duarte alerta: “- Tem que tomar muito cuidado para não alterar o colesterol e o triglicérides, para não desenvolver resistência à insulina e para não sofrer com outros problemas ainda mais graves.”

A orientação é que o consumidor tenha atenção e fique ligado nos dados da tabela nutricional na hora de comprar, a descrição dos ingredientes são em ordem crescente, da maior quantidade para menor.

“- Então a gente tem que estar sempre atento ao ler se o ingrediente realmente é o que diz, porque o rótulo, como a vigilância é mais incisiva, não tem como burlar.” completa Emerson.

Imagem do teste realizado com reagente.
A matéria foi veiculada no jornal Bom Dia MS da TV Morena.